Tudo sobre balanço patrimonial

17 dez Tudo sobre balanço patrimonial

Balanço patrimonial

Balanço patrimonial

O balanço patrimonial é a principal Demonstração Financeira existente, sendo um relatório contábil obrigatório por lei. Ele é responsável por mostrar como a empresa está o patrimônio da empresa, de fato, em um determinado momento, podendo ser ao final do ano ou em qualquer outro período.

Utilizando essa ferramenta, o resultado deve ser um equilíbrio, equivalendo os bens e direitos às obrigações e participações dos acionistas. Com este conceito, entende-se que o balanço patrimonial é a igualdade do patrimônio, mostrando todos os itens que fazem parte do mesmo, sendo eles quantitativos ou qualitativos.

O termo “balanço” origina-se da ideia de uma balança com dois pratos, sendo que, sempre deve existir uma igualdade de um lado com o outro, e caso isso não aconteça, significa que erros na contabilidade da organização estão acontecendo.

De maneira organizada, o balanço é responsável por demonstrar quais são os aspectos qualitativos e quanto valem os aspectos quantitativos, como bens, direitos e obrigações.

1 – Composição

O balanço patrimonial é composto por ativos e passivos.

– Ativos: corresponde aos bens, os direitos e as demais aplicações de recursos controlados pela organização, capazes de gerar benefícios econômicos futuros.

– Passivo: condiz às origens de recursos representados pelas obrigações para terceiros, resultantes de eventos que exigirão ativos para liquidação.

– Patrimônio líquido: representa os recursos próprios da empresa, sendo o valor resultante da diferença entre o valor do ativo e o valor do passivo.

Os elementos da mesma natureza são agrupados, e para isso, é fundamental que seja vetado descrições que utilizam termos genéricos como “diversas contas” ou “contas correntes”.

2 – Como elaborar o Balanço

Ao término do exercício, se inicia o levantamento do balancete de verificação, com o principal objetivo de conhecer os saldos das contas e conferir sua exatidão.

Neste balancete, devem estar todas as contas utilizadas pela empresa, sejam elas patrimoniais ou de resultado, demonstrando assim, seus débitos, créditos e saldos.

As contas no final do exercício, sejam elas patrimoniais ou de resultado, nem sempre representam os valores reais do patrimônio naquela data, nem as variações patrimoniais, afinal, os registros contábeis não seguem a dinâmica patrimonial no mesmo ritmo em que ela se desenvolve.

Muitos dos componentes patrimoniais têm o seu valor variado, com crescimentos e decaídas sem que a contabilidade registre tais mudanças, como por exemplo, receitas e despesas, que foram recebidas ou pagas durante o exercício, podem não corresponder aos custos do período.

Nasce assim, a necessidade de realizar ajustes das contas patrimoniais e de resultado na data em que o balaço será feito, para que elas signifiquem os componentes do patrimônio, bem como suas variações no exercício.

3 – Estrutura do Balanço Patrimonial

A ferramenta é composta por duas colunas. A do lado esquerdo recebe o nome de ativo, e a do lado direito é nomeada como passivo. As nomenclaturas foram estabelecidas por convenção.

Na esquerda, devem ser discriminados os bens e direitos, apresentando qualitativamente cada componente e indicando qual o seu valor monetário. No lado oposto, aparecem as obrigações, também conhecidas como dívidas, que a empresa deve pagar a terceiros. Ainda no segundo lado, são distinguidas as contas de patrimônio líquido, como as obrigações que a organização deve pagar.

4 – Conciliações dos saldos contáveis

A conciliação dos saldos contábeis significa a comparação do saldo de uma conta com informações externas à contabilidade, de forma que seja possível ter certeza quanto à exatidão do saldo em análise.

Existem algumas fontes de informações mais usuais para a verificação de registros contábeis, como os livros fiscais, os extratos bancários, as posições financeiras e carteiras de cobranças, as folhas de pagamento, os controles de caixa, entre muitos outros.

5 – Ajustes e reclassificações patrimoniais

Para realizar a produção do balanço patrimonial, devem ser criados vários ajustes e reclassificações nas contas patrimoniais, como estoques e empréstimos.

Além disso, é necessário calcular também, a provisão para o Imposto de Renda e a Contribuição Social para o Lucro Líquido, de acordo com as normas tributárias vigentes, fazendo assim, a contabilização.

6 – Lançamentos de encerramento do exercício

Após a realizar a análise do resultado do exercício, é preciso fazer os lançamentos de encerramento, debitando as contas de receita e creditando uma conta transitória que recebe o nome de “apuração do resultado do exercício”. O inverso é efetuado nas contas de despesas e custos, fazendo com que seja debitada a conta “apuração de resultados do exercício” e creditando-se as contas de custos e despesas.

O saldo da mesma conta será então, transferido para a conta “resultados a destinar”, sendo distribuída para outras contas do patrimônio.

7 – Classificação as contas patrimoniais

Com ajustes pertinentes e lançamentos de encerramentos das contas de resultados, as contas remanescentes se tornam apenas contas patrimoniais. Desta forma, devem ser separadas e classificadas em grupos para elaboração do balanço patrimonial, sendo que o saldo do ativo deve se manter igual ao passivo.

Esperamos ter tirado todas as dúvidas existentes sobre o processo de realização do balanço patrimonial da sua empresa.

 Você está precisando realizar de uma empresa para realizar a contabilidade da sua empresa? Então conheça a Reluz Contábil: www.reluzcontabil.com.br

Pinterest
Facebook
Google+

Nenhum comentário

Deixar um comentário